Morcego

A ordem Chiroptera é a segunda em número de espécies, cerca de mil identificadas e 138 delas estão presentes no Brasil. Uma característica marcante do morcego é ser o único mamífero com capacidade real de vôo. Geralmente, são considerados animais nocivos e cercados por lendas, associadas à sua aparência e hábito noturno. Estão distribuídos em 2 subordens: Megachiroptera e Microchiroptera. A primeira possui apenas 1 família e a segunda 16 famílias.


DESCRIÇÃO E BIOLOGIA

Característica comum aos quirópteros é que suas extremidades anteriores estão organizadas em braço, antebraço e mão, constituída por 1 polegar de tamanho pequeno e 4 dedos bem alongados. As extremidades posteriores também são adaptadas para o vôo. Esses membros anteriores estão interligados por uma membrana chamada patágio, com uma dupla camada de pele. O morcego Megachiroptera apresenta uma unha no segundo dedo, orelhas pequenas, simples e destituídas de trago, alguns indivíduos podem chegar a até 1,2 m de envergadura. A orientação é baseada na visão, memória e olfato. Já o Microchiroptera, não apresenta unha, as orelhas são complexas e com trago, sua capacidade de ecolocalização é bastante desenvolvida e o menor representante mede cerca de 29 cm de comprimento e o maior até 1 m de envergadura.

O morcego só não habita locais muito frios ou muito quentes, e algumas ilhas muito isoladas. Possuem hábitos crepusculares e noturnos, vivem em grupos e utilizam como abrigo cavernas, frestas em rochas, forros e sótãos, porões, edificações, folhagens e copa de árvores, construções abandonadas, vãos de dilatação de prédios, cisternas e poços. Seus hábitos alimentares variam conforme a espécie: onívoros, frugívoros, nectarívoros ou polinívoros, folívoros, ranívoros, insetívoros, carnívoros, piscívoros e, finalmente, os hematófagos.


CICLO DE VIDA

A média de vida fica entre 20 e 30 anos. Vive em grupos, onde há um macho dominante e o restante do grupo é composto por fêmeas. Atingem a maturidade sexual por volta de 1 ano de idade. A gestação dura de 2 a 7 meses, gerando em média 1 filhote, que nasce sem pêlos ou com pelagem bastante tênue e são amamentados por 2 a 4 meses.


DANOS

Ao contrário do que se pensa, a maioria dos morcegos são benéficos ao meio ambiente, ao se alimentarem podem disseminar sementes, polinizar flores e controlar populações de insetos. Os morcegos que causam algum dano ao homem são os hematófagos, pois ao sugarem o sangue da presa podem transmitir a raiva. Eles atacam os animais domésticos, e são raros os casos de ataque ao homem, quando ocorre é para defender-se. Vários estudos realizados detectaram que diversas espécies de morcegos, mesmo não sendo hematófagos, apresentam o vírus da raiva. Geralmente, os morcegos, em ambiente urbano, causam bastante medo e incômodo às pessoas, seja pelos mitos que envolvem os morcegos ou por sua aparência e hábitos.